Inquérito que investiga propina a FBC e Fernando Filho é prorrogado pelo STF a pedido da PF

23 de nov. de 2020

/ by Blog da Noelia Brito

 



PF investiga se político recebeu propina de empreiteiros entre 2012 e 2014, quando era ministro da Integração Nacional. Deputado Coelho Filho também é citado; pai e filho negam acusações.


Por Fernanda Vivas, TV Globo — Brasília


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso prorrogou, por mais 60 dias, o inquérito da Polícia Federal sobre o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo Jair Bolsonaro no Senado.

A investigação apura se Coelho recebeu propina de empreiteiros em obras no Nordeste entre 2012 e 2014, quando o político era ministro da Integração Nacional do governo Dilma Rousseff. A investigação também envolve o filho do parlamentar, o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE).

A decisão é da última quinta-feira (19) e atendeu a um pedido feito pela Polícia Federal em outubro. Segundo a PF, a medida é necessária para a realização de diligências pendentes, como o depoimento dos dois parlamentares.

Em parecer ao STF, a Procuradoria-Geral da República concordou com a prorrogação das investigações.

“Diante das circunstâncias ainda não completamente esclarecidas na investigação, necessária sua continuidade com a adoção de novas diligências investigativas com o fim da completa elucidação dos fatos e da obtenção de evidências suficientes acerca da materialidade e da autoria”, disse o MPF.

Operação em 2019

No ano passado, Bezerra Coelho foi alvo de busca e apreensão da operação Desintegração, que apura suposto pagamento de propina de R$ 5,5 milhões a ele e ao filho quando o senador era ministro da Integração do governo Dilma Rousseff.

Um dos casos envolve obras do Canal do Sertão e a transposição do rio São Francisco. Na operação, a PF apreendeu R$ 120 mil na casa do deputado Fernando Bezerra Coelho Filho.

A defesa de Bezerra Coelho e do filho tem negado que eles tenham cometido irregularidades. Na época em que a operação foi deflagrada, em setembro do ano passado, a defesa divulgou nota na qual afirmou que a PF fez um relatório "açodado" e "repleto de ilações".

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021