Cidadão pede que MPPE investigue nomeação de Geraldo Julio como secretário. Alegação é de que o ex-prefeito seria Ficha Suja por condenação no TCE

27 de jan. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito



O cidadão Allan Igor Leite Ribeiro fez denúncia ao Ministério Público de Pernambuco pedindo investigação da nomeação do ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio, como secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, alegando que o político seria ficha suja por condenação oriunda do TCE-PE por atos praticados quando ainda era dirigente do Complexo Portuário de Suape, sobre o qual voltou a ter hierarquia, já que o Complexo é subordinado à Secretaria para a qual foi nomeado por Paulo Câmara.

A denúncia foi distribuída à 44. Promotoria de Defesa do Patrimônio da Capital que encaminhou o caso ao Procurador Geral de Justiça por considerar que a competência para investigar pessoas com prerrogativa de foro seria daquela autoridade.


DECLINAÇÃO DE ATRIBUIÇÃO 

Notícia de Fato 01998.000.034/2021

 Assunto: 910002 – Violação aos Princípios Administrativos 

Objeto: Notícia de suposta violação ao princípio da legalidade, em face da nomeação do ex-Prefeito Geraldo Júlio de Mello Filho para o cargo de Secretário de Desenvolvimento do Estado de Pernambuco, o qual figura como inelegível em lista encaminhada pelo TCE/PE ao Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco. 

Noticiante: Allan Igor Leite Ribeiro

Noticiados: Governador do Estado de Pernambuco e Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco 

Cuida-se de Notícia de Fato formulada por  Allan Igor Leite Ribeiro perante a Ouvidoria deste Ministério Público (Manifestação Audivia nº 306513), por meio da qual relata ilegalidade na nomeação do ex-Prefeito Geraldo Júlio de Melo Filho para o cargo de Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado de Pernambuco, o qual figura como inelegível em lista encaminhada pelo TCE/PE ao Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco. Ocorre que o art. 37, inciso VII da Constituição do Estado de Pernambuco dispõe que “compete privativamente ao Governador do Estado de Pernambuco: VII – nomear e exonerar livremente os Secretários de Estados (…).”

 De outra banda, não se pode esquecer de que a Lei Complementar nº 12, de 27 de dezembro de 1994, com as alterações que lhe sucederam, estabelece em seu artigo 10 que “além de outras atribuições constitucionais e legais, cabe ao Procurador-Geral de Justiça, como órgão de execução: (...) VII - exercer as atribuições do artigo 129, II e III, da Constituição Federal, quando a autoridade reclamada for o Governador do Estado, o Presidente da Assembleia Legislativa ou o Presidente do Tribunal de Justiça, bem como quando contra estes, por ato praticado em razão de suas funções, deva ser ajuizada a competente ação (...)".

 Em sendo assim, qualquer investigação que tenha por finalidade apurar a responsabilidade do Governador do Estado em razão de eventual ilegalidade na nomeação de Secretários Estaduais há de ser necessariamente conduzida pelo Procurador-Geral de Justiça. 

Pelo exposto, com amparo nas disposições do art. 2º, § 2º, da Resolução RES- CSMP Nº 003/2019, determino o encaminhamento da presente Notícia de Fato ao Gabinete do Procurador-Geral de Justiça para conhecimento e providências que se fizerem necessárias. 

Recife, 19 de janeiro de 2021. 

ÁUREA ROSANE VIEIRA 

44ª Promotora de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Em Exercício Simultâneo

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021