'Ninguém sai igual de uma internação por Covid-19', diz psicóloga que atende pacientes vítimas da doença

27 de mar. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito

A psicóloga Helena Camarinha atende pacientes com Covid-19 Foto: Divulgação/Hospital Badim

O GLOBO 

RIO — "Estamos vivendo um estresse crônico”. O diagnóstico de Helena Camarinha, psicóloga do Hospital Badim, na Tijuca, para o drama social que atinge a população em geral há um ano vai direto ao ponto. Não há quem escape ileso dos efeitos emocionais, em maior ou menor escala, que o distanciamento social, as incertezas financeiras e as consequências da Covid-19 trazem para quem a contrai. Os que passam por longos períodos de internação são ainda mais impactados pelos efeitos nocivos da pandemia. Como o vírus dessa doença continua entre nós, o jeito é tentar driblar essa situação.

— A mudança na nossa rotina foi muito brusca. Em alguma medida, todos convivemos com o medo, o que pode gerar ansiedade e até depressão. A dica é procurar uma ajuda profissional ou pelo menos buscar fazer atividades relaxantes, como a prática de exercícios físicos — diz a psicóloga. 

Se a vida não está fácil nem para quem segue em casa, saudável, imagina para os que lutam para não morrer em um leito de hospital.

— O dia a dia numa unidade de saúde é pesado porque a possibilidade da morte está presente o tempo todo. Mas impressiona a capacidade que, em geral, os pacientes têm de enfrentar as adversidades — afirma.

É inevitável a evolução humana após uma longa internação, em que se fica isolado e com medo. É o que garante Helena Camarinha:

— Não resta dúvida de que o indivíduo, após passar por essa experiência, fica mais sensível. Ninguém sai igual de uma internação por Covid-19, em que falta o ar, a respiração. Algo muda. A verdade é que todos nós estamos, em algum grau, em constante sofrimento, o que gera transformações internas. 

Como o vírus continua a agir e ainda passa por perigosas mutações, a psicóloga aponta as consultas on-line como um caminho para manter a saúde mental.

— O atendimento remoto é um suporte bastante eficaz. A dica, de um modo geral, é tentar gerenciar os pensamentos, até porque as informações ruins, como o surgimento de novas variantes e a incerteza de quando haverá de fato uma vacinação em massa, fazem com que a população fique mais vulnerável em termos emocionais. É preciso minimizar os danos deste vírus — diz.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021