DESTAQUE

Pague Menos e Ultrapar confirmam compra da Extrafarma pelo preço final de R$ 700 milhões

Imagem
Foto: Divulgação  Com aquisição, Pague Menos se torna a segunda maior rede de farmácias em número de lojas do país, atrás apenas de Raia Drogasil SÃO PAULO – Seguindo a intensa agenda de fusões e aquisições nos últimos meses entre empresas da Bolsa, nesta terça-feira (18) de manhã os investidores receberam a notícia da Reuters de que a Pague Menos (PGMN3) teria comprado a Extrafarma, do conglomerado Ultrapar (UGPA3), por R$ 600 milhões mais dívida e caixa, que totalizaram assim R$ 700 milhões. A notícia oficial da transação, contudo, aconteceu depois do fechamento do mercado, após as companhias terem confirmado durante a manhã desta terça-feira (18) apenas que estavam em negociação, mas sem os termos do acordo. Já depois do fechamento do mercado, além da confirmação do negócio, mais detalhes foram dados. A Ultrapar confirmou que assinou o contrato por um valor total da venda (EV – enterprise value) de R$ 700 milhões, sujeito a ajustes em razão principalmente das variações de capital de

Chefe da PF do Amazonas que será trocado é citado como 'alvo a ser abatido' em conversa de investigados

Foto:Reprodução 


Mensagens encontradas pela PF mostram interesse de madeireiros em tirar Alexandre Saraiva do cargo

A Coluna Painel, da Folha de São Paulo, revela a disposição de membros de uma organização criminosa composta por madeireiros de se livrarem de Alexandre Saraiva, retirado do comando da PF no Amazonas pelo atual diretor-geral Paulo Maiurino.

Saraiva é citado em troca de mensagens de madeireiros investigados pela corporação como o “alvo a ser abatido”.

As mensagens mostram como os madeireiros almejavam o delegado fora do cargo.

Em 2 de setembro de 2019, o investigado Roberto Paulino encaminha uma foto do superintendente a um interlocutor de nome Guga. “Alvo a ser abatido”, diz ele.

“A frase indica que todas as possibilidades para remover o superintendente da Polícia Federal no Amazonas estão sobre a mesa, em outros termos, caso as vias políticas e/ou judiciais e disciplinares não surtam efeito, não está descartado o uso da violência”, diz a PF.

Outra conversa de Paulino, essa com Humberto Jacob de Barros Oliveira, também expõe o descontentamento com o delegado e a vontade de tirá-lo do posto.

No diálogo, eles falam da necessidade em pedir ajuda a uma pessoa de nome Júlio para a tarefa, ele seria representante dos madeireiros.

“Tem que pedir para o Júlio tirar esse cara daqui. Urgente”, diz Paulino. “Ele vai quebrar todos”, responde Humberto.

As conversas integram o inquérito da operação Arquímedes, responsável pela apreensão de 444 contêineres com madeira ilegal.

Saraiva foi afastado do cargo após encaminhar notícia- crime contra o ministro do Meio Ambiente, Salles e o senador Telmário por obstrução das investigações em Operação da PF que apreendeu o maior contrabando de madeira da história do Brasil.



Na quarta-feira (14), ele encaminhou ao Supremo Tribunal Federal uma notícia crime contra o ministro e o senador Telmário Mota (Pros-RR), também pela atuação em favor dos investigados.

Um dia depois foi substituído do cargo por decisão do novo diretor-geral da PF, Paulo Maiurino.

MAIS VISITADAS DO MÊS

Butique das "finas e fofas" do Recife era "usada para desvios de recursos das empresas principais" do Grupo João Santos para fugir dos credores trabalhistas e fiscais

Das colunas sociais para as páginas policiais: briga familiar por herança acaba na Operação Background da Polícia Federal em Pernambuco contra sonegação de mais de R$ 8,5 bilhões

Mais de 20 empresas do Grupo João Santos utilizaram uma "factoring" para lavar dinheiro, além de superfaturar importações para fazer remessas ao exterior, aponta a Receita Federal

Dono da empresa de factoring usada para "lavar" dinheiro pelo Grupo João Santos foi indiciado da Operação Turbulência, revela decisão da Justiça Federal

Respiradores de uso veterinário adaptados e que foram adquiridos pela Prefeitura do Recife teriam causado morte de pacientes em Hortolândia, no interior de São Paulo. TCE/PE não viu nada demais