DESTAQUE

Pague Menos e Ultrapar confirmam compra da Extrafarma pelo preço final de R$ 700 milhões

Imagem
Foto: Divulgação  Com aquisição, Pague Menos se torna a segunda maior rede de farmácias em número de lojas do país, atrás apenas de Raia Drogasil SÃO PAULO – Seguindo a intensa agenda de fusões e aquisições nos últimos meses entre empresas da Bolsa, nesta terça-feira (18) de manhã os investidores receberam a notícia da Reuters de que a Pague Menos (PGMN3) teria comprado a Extrafarma, do conglomerado Ultrapar (UGPA3), por R$ 600 milhões mais dívida e caixa, que totalizaram assim R$ 700 milhões. A notícia oficial da transação, contudo, aconteceu depois do fechamento do mercado, após as companhias terem confirmado durante a manhã desta terça-feira (18) apenas que estavam em negociação, mas sem os termos do acordo. Já depois do fechamento do mercado, além da confirmação do negócio, mais detalhes foram dados. A Ultrapar confirmou que assinou o contrato por um valor total da venda (EV – enterprise value) de R$ 700 milhões, sujeito a ajustes em razão principalmente das variações de capital de

MPF investiga estoques milionários de "kit intubação" em vias de vencer, comprados pela PCR. Medicamentos em falta nas UTIs do País teriam sido repassados ao Governo de Pernambuco, que silencia sobre o caso

A intubação auxilia na respiração por meio de um tubo colocado na garganta - Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Documento público, em poder do Blog, revela que o Ministério Público Federal, investiga, por meio do Procedimento Investigatório Criminal nº 1.26.000.002304/2020-00, que tramita no 14º Ofício da Procuradoria da República em Pernambuco, a aquisição, pela Prefeitura do Recife, de "estoques milionários" do chamado "kit intubação", que contém os medicamentos Propofol e Midazolan, em falta não apenas em hospitais de Pernambuco, segundo denúncias veiculadas por profissionais de saúde, em Redes Sociais, mas em diversas unidades da Federação, a exemplo do Amazonas, de São Paulo e do Rio de Janeiro. utilizados para intubação de pacientes em UTIs.

 

Leia também

Sem sedativo, pacientes intubados no Rio ficam acordados e amarrados ao leito, diz enfermeira 

SP aponta risco de falta e pede remédios do kit intubação à Saúde em até 24 h 

Profissionais de saúde sofrem com escassez de 'kit intubação', e estado tenta abastecer unidades

Falta do "kit intubação" pode atingir 1.141 municípios, aponta pesquisa  

 

O que chama atenção, no caso, é que a Prefeitura do Recife adquiriu quase 500 mil doses desses medicamentos, o que corresponde a dez vezes a quantidade utilizada pela mesma Prefeitura, durante todo o ano passado, estando os medicamentos, segundo denúncia da deputada estadual Priscila Krause, em vias de vencer. Levantamentos do Gabinete da deputada, já levado ao conhecimento dos órgãos de controle, dão conta de que esse estoque milionário vencerá já no próximo dia 30 de abril, enquanto brasileiros agonizam em UTIs de Covid-19, por falta do medicamento.

Além de ter recebido as mais de 440 mil doses de medicamentos do "kit intubação", alegadas pela Prefeitura do Recife, no último dia 30/03/2021, o G1 noticiou que o Estado de Pernambuco também recebeu mais 6,4 mil medicamentos do "kit intubação" do Ministério da Saúde. Ainda segundo o G1, a própria Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que esses insumos seriam utilizados para atender pacientes com Covid que estão internados em hospitais (Confiram em PE recebe 6,4 mil medicamentos do 'kit intubação' para atender pacientes com Covid que estão em hospitais). Ao G1, o Governo de Pernambuco informou que as 6,4 mil unidades são do indutor de sono cloridrato de midazolam.

Profissionais de Saúde, entretanto, narraram ao G1, a escassez de medicamentos para intubação, em hospitais públicos de Pernambuco, o que é incompatível com os estoques que a própria Prefeitura do Recife afirma ter repassado ao Governo do Estado (Confiram em Faltam sedativos em hospitais e pacientes intubados acordam, dizem médicos).
 
Profissionais de Saúde ouvidos pelo Blog esclarecem que o que popularmente se chama de "kit intubação", considerado vital não só para a sedação dos pacientes no momento da colocação do tubo que permite a passagem do ar dos respiradores mecânicos para suas traqueias, mas ainda para mantê-los em coma induzido durante o uso do equipamento indispensável no tratamento das formas graves da Covid-19, é composto de analgésicos, hipnóticos e bloqueadores neuromusculares. Dentre os medicamentos mais comuns do "kit intubação"  estão o analgésico Fentanil, os hipnóticos Etomidato, Cetamina, Propofol e Midazolam, além dos bloqueadores neuromusculares Succinilcolina, Atracúrio, Cisatracurio, Pancurônio e Rocurônio. 

O caso também está sob investigação do Ministério Público de Pernambuco e do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, neste, a pedido do Ministério Público de Contas.

Somente após a Auditoria do TCE/PE realizar inspeção no depósito de medicamentos da Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife, cujo resultado ainda não se teve acesso, a Prefeitura emitiu uma Nota, em que afirma ter repassado 434 mil unidades de Propofol para o Governo de Pernambuco, em dezembro de 2020, confirmando, portanto, a denúncia da deputada de que comprou um estoque muito acima do que seria necessário para suas necessidades: “Sobre o medicamento Propofol, a Prefeitura do Recife em parceria com o Governo do Estado distribuiu 434 mil unidades do seu estoque para atender aos pacientes com Covid-19 pelo SUS ainda em dezembro de 2020. O recebimento do medicamento se deu pelo Termo de Cooperação para o enfrentamento da pandemia, celebrado entre a PCR e o Governo”.

O Blog tentou contato, ainda na manhã de hoje, com a Secretaria de Saúde de Pernambuco, por e-mail, para que o órgão se pronunciasse sobre a investigação do MPF e sobre a Nota da Prefeitura do Recife, bem como para que esclarecesse qual destino teria sido dado aos medicamentos, em vias de vencer, enumerando que Prefeituras e unidades hospitalares, sejam públicas ou privadas, que teriam recebido o estoque, mas até o fechamento desta  matéria não obteve resposta.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Butique das "finas e fofas" do Recife era "usada para desvios de recursos das empresas principais" do Grupo João Santos para fugir dos credores trabalhistas e fiscais

Das colunas sociais para as páginas policiais: briga familiar por herança acaba na Operação Background da Polícia Federal em Pernambuco contra sonegação de mais de R$ 8,5 bilhões

Mais de 20 empresas do Grupo João Santos utilizaram uma "factoring" para lavar dinheiro, além de superfaturar importações para fazer remessas ao exterior, aponta a Receita Federal

Dono da empresa de factoring usada para "lavar" dinheiro pelo Grupo João Santos foi indiciado da Operação Turbulência, revela decisão da Justiça Federal

Respiradores de uso veterinário adaptados e que foram adquiridos pela Prefeitura do Recife teriam causado morte de pacientes em Hortolândia, no interior de São Paulo. TCE/PE não viu nada demais