DESTAQUE

Pague Menos e Ultrapar confirmam compra da Extrafarma pelo preço final de R$ 700 milhões

Imagem
Foto: Divulgação  Com aquisição, Pague Menos se torna a segunda maior rede de farmácias em número de lojas do país, atrás apenas de Raia Drogasil SÃO PAULO – Seguindo a intensa agenda de fusões e aquisições nos últimos meses entre empresas da Bolsa, nesta terça-feira (18) de manhã os investidores receberam a notícia da Reuters de que a Pague Menos (PGMN3) teria comprado a Extrafarma, do conglomerado Ultrapar (UGPA3), por R$ 600 milhões mais dívida e caixa, que totalizaram assim R$ 700 milhões. A notícia oficial da transação, contudo, aconteceu depois do fechamento do mercado, após as companhias terem confirmado durante a manhã desta terça-feira (18) apenas que estavam em negociação, mas sem os termos do acordo. Já depois do fechamento do mercado, além da confirmação do negócio, mais detalhes foram dados. A Ultrapar confirmou que assinou o contrato por um valor total da venda (EV – enterprise value) de R$ 700 milhões, sujeito a ajustes em razão principalmente das variações de capital de

Delegado da PF, Procuradores e servidor do MPF recebem prêmio de combate à corrupção pela Operação Apneia sobre compra de respiradores pela Prefeitura do Recife

Na foto: a Superintendente da SRPE, Carla Patrícia Cintra, o Delegado chefe da DELECOR, Daniel Silvestre e a Corregedora da PF/PE, Mariana Cavalcanti, recebem prêmio no Encontro de Chefes de Delegacias de Repressão a Crimes contra a Corrupção e Crimes Financeiros, em nome da Superintendência Regional da Polícia Federal em Pernambuco por ter sido a unidade que mais deflagrou operações especiais de combate à corrupção em 2020.

A Operação Apneia indiciou o ex-secretário de Saúde, Jailson Correia e outros três servidores comissionados da Prefeitura do Recife, além de dois empresários pela compra e venda de respiradores imprestáveis para uso em seres humanos durante a pandemia de Covid-19

A atuação dos procuradores da República Cláudio Dias e Silvia Regina Pontes Lopes e do delegado da Polícia Federal Daniel Silvestre na condução das investigações sobre a compra de respiradores imprestáveis para uso em seres humanos, pela Prefeitura do Recife, durante a gestão Geraldo Julio, rendeu aos três e ao servidor Hélder dos Anjos Ribeiro (assessor do 17º Ofício da PRPE), em Pernambuco o IX Prêmio República de Valorização do MPF, promovido pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), na categoria Combate à Corrupção.

Também foram agraciados por sua atuação na Operação Apneia, Cristiano Pimentel (procurador do Ministério Público de Contas do Estado de Pernambuco), Júlio Oliveira (procurador do TCU) e Lucieni Pereira (auditora de controle externo do TCU).

Os vencedores foram anunciados na noite da última sexta-feira (30/4), durante cerimônia virtual transmitida pelo canal da ANPR no YouTube. A iniciativa tem como objetivo identificar e dar visibilidade à atuação dos membros do MPF, às melhores práticas e iniciativas adotadas, além de estimular parcerias entre os entes que se dedicam à promoção da Justiça e à defesa do Estado Democrático de Direito.

A Superintendência de Polícia Federal em Pernambuco já havia recebido um prêmio por seu trabalho de excelência no combate à corrupção, em dezembro do ano passado, durante o encerramento do Encontro de Chefes de Delegacias de Repressão a Crimes contra a Corrupção e Crimes Financeiros. A Superintendência Regional da Polícia Federal em Pernambuco foi a unidade que mais deflagrou operações especiais, dentre todas do Brasil, no tema de combate à corrupção, durante o ano de 2020. O prêmio foi entregue ao delegado Daniel Silvestre que o dedicou a toda a equipe que compõe a DELECOR-PE. 

Em nota, a Superintendência da Polícia Federal em Pernambuco afirmou que "
"Todos os policiais da Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros de Pernambuco (DELECOR) se sentem honrados pelo reconhecimento do Ministério Público Federal, com menção expressa à importância da atuação da PF na Operação Apneia. A maior satisfação da equipe decorre sobretudo da certeza de que o nosso trabalho protegeu um bem de valor inestimável, que é a vida humana."

SAIBA MAIS SOBRE A OPERAÇÃO APNEIA

MAIS VISITADAS DO MÊS

Butique das "finas e fofas" do Recife era "usada para desvios de recursos das empresas principais" do Grupo João Santos para fugir dos credores trabalhistas e fiscais

Das colunas sociais para as páginas policiais: briga familiar por herança acaba na Operação Background da Polícia Federal em Pernambuco contra sonegação de mais de R$ 8,5 bilhões

Mais de 20 empresas do Grupo João Santos utilizaram uma "factoring" para lavar dinheiro, além de superfaturar importações para fazer remessas ao exterior, aponta a Receita Federal

Dono da empresa de factoring usada para "lavar" dinheiro pelo Grupo João Santos foi indiciado da Operação Turbulência, revela decisão da Justiça Federal

Respiradores de uso veterinário adaptados e que foram adquiridos pela Prefeitura do Recife teriam causado morte de pacientes em Hortolândia, no interior de São Paulo. TCE/PE não viu nada demais