Operação Black Flag: PF prende 12 por fraudes financeiras de R$ 2,5 bilhões e afasta delegado da corporação

12 de mai. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito

Operação Black Flag cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão no Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, mas ainda há três foragidos; Polícia Federal fala em 'padrão de vida cinematográfico' dos investigados e patrocínios ao automobilismo

A Polícia Federal abriu na manhã desta terça-feira, 11, a Operação Black Flag para aprofundar uma investigação sobre fraudes financeiras e lavagem de dinheiro na ordem de R$ 2,5 bilhões. Um delegado da corporação, que não teve o nome divulgado, foi afastado do cargo sob suspeita de participação no esquema.

Os agentes cumpriram, ao todo, 12 mandados de prisão e 70 de busca e apreensão no Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Há ainda três investigados que não foram encontrados e são considerados foragidos. A Primeira Vara Federal de Campinas (SP), base da operação, também autorizou o bloqueio de contas e investimentos dos investigados no valor de R$ 261 milhões, sequestro imóveis e congelamento de transferências de bens.

De acordo com a PF, as fraudes foram descobertas a partir de fiscalizações da Receita Federal, que detectou movimentações financeiras suspeitas. Com o avanço da investigação, que já dura dois anos, os agentes chegaram a uma rede de pessoas físicas e jurídicas fictícias usada nas operações.

“Tendo por único objetivo sustentar os integrantes da organização criminosa em padrão de vida cinematográfico com a aquisição de veículos de luxo, imóveis, lancha no valor de 5 milhões de reais e até ao patrocínio de esporte automobilístico”, afirma a Polícia Federal. “Para proteger o patrimônio foram criadas empresas para assumir a propriedade de bens e blindá-los de eventuais ações fiscais, cujos créditos já apurados pela Receita Federal ultrapassam 150 milhões de reais”, acrescenta.

Na ponta, as fraudes começaram com recursos públicos, já que a primeira empresa fictícia obteve, em 2011, contratos com a Desenvolve SP, estatal de fomento paulista, e com a Caixa Econômica Federal no valor total de R$ 73 milhões – o que, em valores corrigidos, importa em aproximadamente R$ 100 milhões.

O nome da operação, ‘Black Flag’, faz referência à bandeirada preta usada para desclassificar corredores automobilísticos em competições. Isso porque, segundo os investigadores, parte do lucro dos crimes era usado pelos investigados para financiar o esporte.

Os envolvidos vão responder, na medida de suas participações, pelos crimes de lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro, crimes contra a ordem tributária, estelionato, falsidade ideológica e material e organização criminosa.