Site mostra vídeo de médicos "cloroquineiros" de Pernambuco atuando no "gabinete das sombras" de Bolsonaro

9 de jun. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito
O oftalmologista cloroquineiro Antônio Jordão, de Pernambuco, gargalha com as piadas de Jair Bolsonaro durante reunião do gabinete das sombras (Foto: Reprodução)

O grupo pernambucano "Médicos pela Vida", comandado pelo oftalmologista Antônio Jordão, está sendo processado pelo Ministério Público Federal, no Rio Grande do Sul, conforme já revelado pelo Blog da Noelia Brito, por divulgar manifesto em defesa do "kit covid", expondo a saúde da população a risco. Na ação, o MPF pede indenização de dez milhões por danos causado pelos cloroquineiros à população. 

 Curiosamente, o senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, que é médico, pediu a convocação de dirigentes da Unimed de vários Estados, menos de Pernambuco, seu estado, para que prestem esclarecimentos sobre a prescrição de tratamento precoce e distribuição do kit covid, mas até o momento não pediu a convocação dos seus colegas cloroquineiros de Pernambuco.

O site Metrópoles divulgou um vídeo do que seria uma reunião do ministério da Saúde paralelo, que tem aconselhado o presidente Jair Bolsonaro a ser uma espécie de propagandista de medicamentos comprovadamente ineficazes para o combate à Covid-19, em especial da cloroquina e da hidroxicloroquina. 

Foi durante a reunião, onde o oftalmologista pernambucano Antônio Jordão, um dos maiores "cloroquiners" do estado, apesar de não ser especialista nem em pneumologia, nem em infectologia, aparece às gargalhadas ao lado de Bolsonaro, que surgiu o nome "gabinete das sombras", para nominar a trupe. O termo é uma tradução para “shadow cabinet”, nome sugerido, na ocasião, pelo virologista Paolo Zannoto , para que os cloroquineiros não viessem a ser expostos.

Segundo o Marco Zero Conteúdo, três médicos pernambucanos participaram daquela reunião e comporiam o tal gabinete das sombras. Além de Jordão, que permanece o tempo todo ao lado de Bolsonaro, o pneumologista Blancard Torres e a pediatra Tilma Belford, diz o Marco Zero, posam em fotos ao lado do presidente, de Osmar Terra, o ministro "paralelo" e da médica Nise Yamaguchi.

Ainda segundo o Marco Zero, a reunião foi um pedido do grupo Médicos pela Vida, um dos principais propagadores do “tratamento precoce”, no Brasil, que é liderado pelo oftalmologista pernambucano Antônio Jordão. O site pernambucano revela, ainda, que Blancard Torres também faz parte da coordenação do grupo, que reúne sete médicos, dos quais cinco são de Pernambuco.

"Blancard, que ficou conhecido por ser o médico de Frei Damião, foi ao microfone para se queixar que levou uma advertência do Hospital Português, onde diz trabalhar há 42 anos. 'Porque eu falei (em um vídeo) que os genocidas eram os governadores, como Paulo Câmara, e os prefeitos, (como) Geraldo Júlio. Eles negam essas medicações'". O médico, porém, falta com a verdade, já que o governo de Pernambuco adquiriu, sim, hidróxido de cloroquina, deixando de distribuí-la somente quando a OMS alertou para o risco de morte de pacientes pelo uso da medicação. Esses fatos foram noticiados aqui mesmo, em nosso Blog, como pode ser conferido em Governo de Pernambuco comprou hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19. Hospital Português exclui medicamento do protocolo para a doença.

Blancard, segundo, ainda o Marco Zero, reclamou que o Conselho Regional de Medicina do Estado de Pernambuco (Cremepe) é contra o tratamento precoce e pediu que o presidente proteja os médicos que o apoiam. “Como eu posso fazer vídeo instruindo o povo se eu não tenho o presidente dizendo que não pode me atacar? porque se me atacar, ataca o senhor. Eu sou o seu soldado, você é meu capitão. O senhor tem que estar ao meu lado”, suplicou.

O grupo "Médicos pela Vida" está sendo processado pelo Ministério Público Federal, no Rio Grande do Sul, conforme revelado pelo Blog da Noelia Brito em MPF ajuíza ação civil pública contra "Médicos pela Vida", do Recife, que publicou manifesto em defesa do "kit covid" para “tratamento precoce” da covid-19. Na ação, o MPF pede indenização, a título de danos à saúde e moral coletivo, no valor de de dez milhões de reais e que a Anvisa exerça poder de polícia em relação à publicidade de medicamentos do “kit covid”.

De acordo com a ação do MPF gaúcho, a associação pernambucana, que tem um médico do Rio Grande do Sul entre seus associados, expôs a risco a saúde da população, induzindo-a a acreditar que o “tratamento precoce”, comprovadamente ineficaz, é suficiente para minimizar a replicação viral e atingindo também a honra dos profissionais que não a recomendam, indicando estarem incorrendo inclusive em infração ética.

Além disso, ao indicar a existência de medicamentos supostamente eficazes contra a covid-19, a publicação possivelmente estimula a população a não observar as medidas recomendadas para redução do contágio e que são de evidente necessidade para o controle da pandemia, como evitar aglomerações, manter distanciamento social, higiene das mãos, uso de máscara, dentre outras. A confiança no “tratamento precoce” pode induzir o usuário a não procurar o sistema de saúde a tempo, aumentando os riscos de agravamento do quadro, com prejuízos à própria saúde e ao sistema como um todo.

A Marco Zero perguntou ao Cremepe se há alguma investigação sobre a conduta do Médicos pela vida. Perguntou também sobre como ficou a investigação sobre o grupo Médicos da verdade, que teve início há mais de um ano e era patrocinado pela deputada estadual Clarissa Tércio. A resposta do Conselho foi de que “todas as denúncias que chegam a este Conselho são averiguadas e correm em sigilo processual para não comprometer a investigação”.

Antônio Jordão foi procurado pela Marco Zero Conteúdo. Ele respondeu ao contato e marcou horário para a entrevista, mas não atendeu às ligações.

Curiosamente, o senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, que é médico, pediu a convocação de dirigentes da Unimed de vários Estados, menos de Pernambuco, seu estado, para que prestem esclarecimentos sobre a prescrição de tratamento precoce e distribuição do kit covid, mas até o momento não pediu a convocação dos seus colegas cloroquineiros de Pernambuco.

O senador Raldolfe Rodrigues revelou, em entrevista à TVT que a CPI já tem provas da existência de um "esquema" corrupto envolvendo a defesa na cloroquina por integrantes do governo Bolsonaro.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021