Pandemia faz disparar o abandono de animais de estimação. Entenda o porquê.

15 de jul. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito

Foto: Reprodução 

EUA barra importação de cães do Brasil e pesquisa do Reino Unido prevê um aumento de até 27% de cães abandonados nos próximos cinco anos

O ano de 2020 foi marcado pela pandemia e o confinamento global. Milhões de pessoas precisaram se adaptar à realidade do isolamento social, e houve um enorme aumento na procura por animais de estimação no período. Os cães passaram a ser vistos não só como companhia, mas também como parceiros de atividade físicas dos tutores.

De acordo com a Pets4Homes, site de adoção de pets no Reino Unido, em maio de 2020 havia 400 pessoas para cada pet anunciado no site do país, ou seja, poucos animais disponíveis. Além disso, no ano passado as apólices de seguro para animais de estimação aumentaram 59%, segundo dados da LV= General Insurance, as pesquisas do Google sobre "adquirir um filhote" cresceram 115% e os preços de algumas das raças mais procuradas atingiram níveis recordes.

Mas 2021 chegou com uma realidade diferente. Os abrigos de animais no país se preparam para uma nova onda de animais abandonados e os sites de vendas de animais de estimação estão se enchendo de listas de filhotes sendo revendidos. Os números da Instituição Britânica Dog's Trust, entre agosto de 2020 e janeiro de 2021, apontaram um aumento de 41% no tráfego da web para sua página Giving Up Your Dog e o abrigo de cães e gatos Battersea Dogs & Cats Home, também no Reino Unido, prevê um provável aumento de até 27% para cães abandonados nos próximos cinco anos.

Além disso, uma medida em território americano pode afetar diretamente o aumento de cães abandonados também no Brasil. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos anunciou que a partir do dia 14 de julho não será permitida a importação de cães de 113 países durante um ano. A ação, segundo o órgão, é uma medida de prevenção para evitar o risco de circulação do vírus da raiva canina, já que segundo o governo americano, durante a pandemia, houve um aumento de importações desses animais e foi constatado que muitos chegaram ao país com certificados falsos de proteção contra a zoonose. A proibição se aplica a todas as raças de cães, animais de apoio emocional e os que estiveram em locais considerados de alto risco nos últimos seis meses, e o Brasil está na lista.

Por que essa mudança de opinião sobre ter um pet?

Segundo a Dra. Tammie King, especialista em comportamento animal da Mars Petcare, os animais de estimação trazem uma série de benefícios para os humanos, incluindo o alívio da ansiedade e redução da sensação de solidão, por isso a busca por um pet cresceu em 2020. Mas, ter um cão exige comprometimento e dedicação para a adaptação total e para que suas necessidades de saúde e bem-estar sejam atendidas. Quando isso é deixado de lado, problemas comportamentais podem surgir, como ansiedade, medo, agressividade, destruição de objetos, que podem causar desconforto ao tutor. "No início da relação tutor e pet, esse é um comportamento normal, mas para alguns pode não ser fácil de gerenciar. É preciso ter paciência e cuidado para treinar o cão a fim que a situação não volte a se repetir. Geralmente os filhotes são mais curiosos e ficam ainda mais ansiosos com a possível separação do seu tutor após longos períodos juntos", conta King.

A importância de posse responsável consciente

Dados da Associação dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimação do Reino Unido, mostram que 59% dos tutores de cães têm menos de 34 anos. Essa mesma demografia geralmente busca informação sobre aquisição de um pet na internet, mas nem sempre com a profundidade necessária. Segundo um levantamento do Pets4Home, britânicos preferem cães de raça, mas nem sempre realizam a pesquisa para saber tudo sobre as características e o perfil do pet, incluindo dados de comportamento, personalidade e energia dos animais, a fim de encontrar um pet que tenha sinergia com a vida familiar para uma posse responsável - e não por impulso.

Para a Médica-Veterinária, Dra. Angela Hughes da Mars Petcare, pesquisar sobre a raça é a necessidade número um a fazer antes de adquirir um pet e, mesmo após a chegada do animal, nunca é tarde para saber mais. "É importante entender o que o cãozinho pode aprender com mais facilidade, e o que pode ser treinado e ensinado. Cada raça tem uma personalidade, um nível de energia e grau de adestramento. Como tutor que busca a posse responsável, é preciso descobrir o que pode ser moldado e compreender que há traços da personalidade da raça que é preciso aceitar" conclui Hughes.

O cuidado com os pets e a posse responsável

Ter um pet também significa cuidar da saúde dele da melhor forma possível, para uma vida longa e mais saudável. É fundamental criar condições ideais para um cão feliz, bem socializado, bem comportado, que enriqueça a vida da família e da sociedade, reduzindo riscos de abandono. Isso inclui um compromisso de tempo e orçamento, acompanhamento Médico-Veterinário e a alimentação correta, com precisão nutricional personalizada para cada fase do animal. É importante estabelecer limites com o pet desde a sua chegada, garantindo um ambiente apropriado para que o cão tenha oportunidades de se desenvolver, conhecer o lar, seu espaço e se sentir seguro junto ao tutor, tudo para criação do vínculo e redução do abandono de animais.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021