Campanha difamatória movida pelo Coronel Meira contra a ex-Superintendente da PF, Carla Patrícia, seria vingança por expulsão de um irmão de Meira da PM, pelo crime de peculato, quando Carla Patrícia foi Corregedora da SDS, revela ação movida pela policial federal contra o ex-PM

 

Foto: Divulgação

Segundo a ação, diferentemente do que apregoa ao se postar como baluarte da moralidade e do combate à corrupção, Meira seria movido por verdadeira sede de vingança contra Carla Patrícia por ter sido durante a gestão desta, à frente da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social, que um irmão de Meira, também ex-coronel da PM de Pernambuco, foi expulso da corporação e considerado indigno para o exercício do oficialato, por cometimento do crime de peculato. O ex-coronel DILSON E SILVA MEIRA foi também denunciado pelo Ministério Público pelo mesmo crime. Ex-Superintendente pede R$ 200 mil de indenização pelos danos morais e retratação pública

Além do indiciamento por crimes contra a honra da ex-superintendente da Polícia Federal, em Pernambuco, Carla Patrícia Cintra, em inquérito instaurado por requisição do Ministério Público Federal, o ex-PM conhecido como Coronel Meira, que preside o PTB de Roberto Jefferson, no Estado, está respondendo a uma ação por danos morais onde a policial federal pede uma indenização de 200 mil reais como reparação civil, pelos danos à sua honra, decorrentes de uma campanha difamatória promovida em blogs, redes sociais e programas de rádio pelo ex-policial militar.

A ação movida por Carla Patrícia contra Meira foi ajuizada ontem, 31, pelo ex-presidente da OAB/PE Ronnie Duarte e tramita na 24ª Vara Cível, Seção A, da Capital pernambucana.

Segundo a ação, apesar de ser público e notório que foi durante a gestão da delegada Carla Patrícia que a Superintendência da PF de Pernambuco foi reconhecida como a unidade da PF que obteve o maior número de operações de combate à corrupção deflagradas, fato que, inclusive mereceu as atenções da mídia local e de que uma das operações conduzidas durante sua gestão, a “Operação Apnéia”, deflagrada contra desvios de recursos destinados à pandemia, na Prefeitura do Recife, na época comandada pelo ex-prefeito Geraldo Julio, do PSB, inclusive, veio a ser agraciada com o IX Prêmio República de Valorização do Ministério Público Federal, promovido pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), o Coronel Meira, a partir de meados de 2020, passou a assacar periódica e publicamente contra a honra de Carla Patrícia, acusando-a de prevaricação (art. 319 do CP) nas redes sociais, bem como em jornais e emissoras de rádio. Além disso, a delegada "foi levianamente acusada pelo DEMANDADO da prática de crimes como obstaculizar inquéritos, proteger partidos políticos no que toca à persecução criminal e, em última análise, de integrar uma suposta organização criminosa com fins de obstaculizar a Justiça", sendo que, até o início da campanha difamatória promovida por Meira, Carla Patrícia jamais tivera questionada sua integridade moral por quem quer que fosse. 

A peça ainda aponta que "Além da repercussão midiática, as declarações do DEMANDADO ensejaram incontáveis manifestações odiosas de terceiros em comentários públicos e em grupos de aplicativos de mensagens (WhatsApp, Telegram, etc.)." No "âmbito privado, a DEMANDANTE teve o constrangimento de saber que as acusações criminosas chegaram aos seus filhos menores, amigos e muitos parentes, os quais compartilharam relatos de comentários recebidos de terceiros, negativamente influenciados pelas notícias veiculadas", sendo "inegável o esforço deliberado do DEMANDADO para conspurcar a imagem e a reputação da DEMANDANTE, construída ao cabo de muitos anos".

Na petição, ainda são mencionadas as fracassadas tentativas de Meira na busca de um cargo eletivo e sua ligação com o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, preso por ameaçar e cometer crimes contra a honra de ministros do STF: "Bom lembrar que o DEMANDADO tenta ser um ator político partidário. Preside o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em Pernambuco, sendo, portanto, correligionário do célebre Roberto Jefferson, polêmico líder nacional do citado partido. 19. Ao que parece, o DEMANDADO busca seguir as pegadas da sua liderança nacional no afã de reverter o reiterado soçobro nas múltiplas tentativas de obter um mandato eletivo. Foi candidato derrotado a Vereador do Recife/PE (2020), a Deputado Federal (2018) e a Deputado Estadual (2010) pelo estado de Pernambuco. 20. O DEMANDADO conta com mais de 15.000 (quinze mil) seguidores nas suas redes sociais e tenta, continuamente, um protagonismo de “lacração” (como dizem os mais jovens), estratégia essa perseguida mediante ataques à honra de pessoas e instituições, dentre as quais a DEMANDANTE."

Na ação ajuizada por Carla Patrícia fica clara a motivação que move o Coronel Meira em seus ataques à honra da policial federal. Diferentemente do que apregoa ao se postar como baluarte da moralidade e do combate à corrupção, Meira teria desenvolvido verdadeiro ódio contra Carla Patrícia por ter sido durante sua gestão à frente da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social que um irmão de Meira, também ex-coronel da PM de Pernambuco, foi expulso da corporação e considerado indigno para o exercício do Oficialato, por cometimento do crime de peculato. O ex-coronel DILSON E SILVA MEIRA foi também denunciado pelo Ministério Público pelo mesmo crime. De acordo com a ação, a perseguição de Meira contra Carla nada mais é que sede de vingança e passa muito longe de qualquer insatisfação com sua atuação no comando da PF em Pernambuco, onde, afinal, somente contra a gestão do PSB, na Prefeitura do Recife, PSB que é o Partido ao qual o Coronel Meira atribui falsamente ligações com Carla Patrícia, foram deflagradas sete Operações durante a gestão da Delegada à frente da PF.

Outro irmão de Meira, aliás, chegou a ser preso por desvios de recursos públicos quando era prefeito da cidade de Camaragibe, em Operação comandada pelo DRACO, departamento de Combate à Corrupção cuja criação contou com os veementes esforços de Carla Patrícia.

Acaso condenado, Meira terá que indenizar sua vítima no valor de 200 mil reais, calculado com base nas mais de duas décadas em que Carla Patrícia atua como policial federal, período no qual construiu a reputação ilibada a qual Meira tenta destruir como forma de obter vingança pessoal pelas investigações e punições contra seus irmãos acusados do cometimento dos mais diversos crimes contra o Erário. 

Além disso, terá que publicar retratação pública não apenas em suas redes sociais, mas nos Blogs que utilizou para propagar as inverdades contra a honra da delegada Carla Patrícia, quais sejam, o Blog do Magno Martins, o Blog do Jamildo e o Blog do Jota Silva: "No mérito, REQUER-SE seja julgado INTEIRAMENTE PROCEDENTE a pretensão inaugural para condenar o DEMANDADO: (a) ao pagamento de reparação dos danos extrapatrimoniais (danos morais) no valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), acrescida de juros moratórios a partir do primeiro evento danoso (28/4/2020) e correção monetária desde a data do arbitramento e; (b) em obrigação de fazer, atendendo ao princípio da reparação integral do dano extrapatrimonial causado, de modo a providenciar a publicação da sentença proferida no presente processo nas suas próprias redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram), determinando-se, ainda, sob pena de multa, que providencie às próprias expensas a publicação nos blogs em que foram originalmente veiculadas as entrevistas com conteúdo inverídico (Blog do Magno, Jota Silva e Blog do Jamildo), ensejando-se a retratação pública das ofensas perpetradas, determinando-se, ainda, que o DEMANDADO exclua as postagens com conteúdo crítico à DEMANDANTE de suas redes sociais."




Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021