Operação mira advogados, policiais e agentes do sistema penitenciário por associação a organização criminosa

17 de nov. de 2021

/ by Blog da Noelia Brito



Foto: Divulgação/PCPE


Segundo a Polícia Civil, a organização criminosa é voltada à prática de homicídios, tráfico de drogas, corrupção passiva, associação ao tráfico e lavagem de dinheiro.Por ter dentre os alvos advogados, policiais e integrantes do sistema penitenciário, cujos nomes não foram divulgados, a Operação conta com a participação da Corregedoria Geral da SDS/PE, da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB e GISO/SDS/PE

Na manhã desta quarta-feira, 17, 200 policiais civis cumprem 16 mandados de prisão, 27 de buscas e apreensões e bloqueio de ativos financeiros e bens contra integrantes de uma organização criminosa voltada à prática de homicídios, tráfico de drogas, corrupção passiva, associação ao tráfico e lavagem de dinheiro.

Segundo a assessoria da Polícia Civil de Pernambuco, a Operação Tarrafa II foi autorizada pela juíza da 2ª Vara Criminal de Olinda, sendo comandada pela Diretoria Integrada Especializada - DIRESP, sob a coordenação conjunta do Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais – DEPATRI e Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado – DRACCO. 

Por ter dentre os alvos advogados, policiais e integrantes do sistema penitenciário, cujos nomes não foram divulgados, a Operação conta com a participação da Corregedoria Geral da SDS/PE, da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB e GISO/SDS/PE.

A investigação, iniciada em novembro de 2019, é um desdobramento da Operação Tarrafa. 

OPERAÇÃO TARRAFA

Em 2017, a Polícia Civil deflagrou uma operação denominada Tarrafa, contra organização criminosa comandada por um detento do regime semiaberto que mantinha influência no sistema carcerário estadual para facilitar o comando de uma quadrilha apontada como responsável por 34 assassinatos, roubos e tráfico de drogas no Grande Recife.

Segundo a Polícia, o líder desse grupo, conhecido como o "Al Capone de Olinda", tinha um grande aparato de proteção no sistema penitenciário. Matava, roubava outros traficantes e fazia agiotagem. Na ocasião, 23 pessoas foram presas, a maioria delas no bairro de Peixinhos e arredores, daí porque o nome da Operação fazer alusão à tarrafa, tipo de rede de pescaria.

Na época, o delegado Gilmar Rodrigues, que comandou a operação, classificou o "Al Capone  de Olinda" como uma "verdadeira instituição financeira ambulante", com "grande aparato de defesa com policiais e agentes penitenciários."

Ainda segundo o delegado, o chefe da organização tinha tanto poder dentro do sistema carcerário que em uma oportunidade chegou a mandar uma viatura do sistema carcerário buscar um comparsa em uma audiência.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021