Em artigo, Leo Salazar propõe a construção do Plano de Salvaguarda do Forró

7 de abr. de 2022

/ by Blog da Noelia Brito
Foto: Divulgação 

Por Leo Salazar*

O plano de salvaguarda é um instrumento de gestão que deve ser implementado com o objetivo de alcançar a autonomia e a sustentabilidade do bem cultural registrado, neste caso, das Matrizes Tradicionais do Forró.

A pesquisa que fundamenta o pedido de registro das Matrizes Tradicionais do Forró como patrimônio cultural brasileiro, aprovado em 2021 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), apresenta um diagnóstico de riscos e ameaças à continuidade deste bem cultural.

“Particularmente preocupantes neste sentido, e tema de repetidas queixas por parte dos interlocutores da pesquisa, são as transformações pelas quais vêm passando as comemorações públicas das festas juninas em cidades da região Nordeste, em especial aquelas que mais ostentam sua suposta reverência a estes festejos: Caruaru-PE e Campina Grande-PB. Desde meados dos anos 1990, as prefeituras destas cidades assumiram a centralização dos festejos, assumindo investimentos de infra-estrutura (pátios de eventos com capacidade para abrigar públicos de dezenas de milhares de pessoas, etc.), e buscando patrocínios vultosos de empresas privadas para bancar festas que funcionam como megaeventos de apelo turístico. Neste quadro, tem havido tendência a buscar a atração de um grande público, cujo interesse pelos festejos não parece buscar mais do que uma evasão por assim dizer genérica, em nada relacionada a concepções tradicionais e específicas do que sejam as festas de São João”, alerta o relatório do Iphan.

Na minha opinião, após a patrimonialização do Forró, a festa de São João não deve mais ser tratada pelas prefeituras como um evento isolado, mas sim como um processo integrado ao Plano de Salvaguarda das Matrizes Tradicionais do Forró, que incluem não só os gêneros musicais, mas também as danças e os instrumentos emblemáticos (como sanfona, pífano e rabeca).

Posto isso, encaminho uma proposta concreta a essas prefeituras que investem na festa de São João como atrativo turístico: que elas celebrem uma parceria com as associações culturais Balaio Nordeste e Respeita Januário - entidades sem fins lucrativos responsáveis pela elaboração do Dossiê do Forró entregue ao Iphan -, para que seja dada continuidade à pesquisa, principalmente para expandir as visitas de campo de base etnográfica, e para realizar a construção do Plano de Salvaguarda do Forró.

A patrimonialização do Forró foi uma etapa importante, mas ainda há um longo caminho a percorrer. Sem a construção do Plano de Salvaguarda do Forró, sua patrimonialização não produzirá efeito prático algum.

*Leo Salazar é pré-candidato a deputado estadual pelo Cidadania-PE e aluno do mestrado em Hotelaria e Turismo da UFPE

Nenhum comentário

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

© Todos os direitos reservados - 2021