Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Marcio Coimbra

DESTAQUE

Pague Menos e Ultrapar confirmam compra da Extrafarma pelo preço final de R$ 700 milhões

Imagem
Foto: Divulgação  Com aquisição, Pague Menos se torna a segunda maior rede de farmácias em número de lojas do país, atrás apenas de Raia Drogasil SÃO PAULO – Seguindo a intensa agenda de fusões e aquisições nos últimos meses entre empresas da Bolsa, nesta terça-feira (18) de manhã os investidores receberam a notícia da Reuters de que a Pague Menos (PGMN3) teria comprado a Extrafarma, do conglomerado Ultrapar (UGPA3), por R$ 600 milhões mais dívida e caixa, que totalizaram assim R$ 700 milhões. A notícia oficial da transação, contudo, aconteceu depois do fechamento do mercado, após as companhias terem confirmado durante a manhã desta terça-feira (18) apenas que estavam em negociação, mas sem os termos do acordo. Já depois do fechamento do mercado, além da confirmação do negócio, mais detalhes foram dados. A Ultrapar confirmou que assinou o contrato por um valor total da venda (EV – enterprise value) de R$ 700 milhões, sujeito a ajustes em razão principalmente das variações de capital de

Rumos da CPI , por Márcio Coimbra

Imagem
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado   OPINIÃO   "A sorte de Bolsonaro é seu mandato estar no fim e um impeachment neste momento não interessar à oposição, tampouco os postulantes ao cargo presidencial no próximo ano. O presidente cai somente se houver um fato arrebatador." (Márcio Coimbra*) Jair Bolsonaro já tem uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para chamar de sua. Desde a redemocratização, todos os governos passaram por escrutínios no Congresso Nacional. Não será a primeira, nem a última vez. Enquanto isso, a velha máxima da política de Brasília segue assombrando o Planalto: Todos sabem como uma CPI começa, mas nunca como termina. Resta saber como a base bolsonarista irá se comportar. Até aqui, não faltaram erros. O presidente é um político intuitivo, porém pouco estratégico. Isto ficou claro na falta de articulação dentro do Congresso Nacional em seus anos no Planalto. Uma agenda econômica que nunca decolou, reformas que nunca saíram e derrotas sucessivas em