Memórias Covid: Projeto da Unicamp abre espaço para os pernambucanos enviarem relatos durante a pandemia 


Ana Carolina Moura Delfin Maciel é coordenadora do Programa (Foto: Divulgação)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) está construindo a plataforma Memórias Covid 19, coordenada pela pesquisadora e historiadora Ana Carolina Moura Delfin Maciel. O projeto tem como objetivo criar um espaço memorial virtual para que pessoas de todos os estados do Brasil, bem como do exterior possam expressar suas memórias durante a pandemia do novo coronavírus. Em tempos atípicos de distanciamento social e de vulnerabilidade para a população, ainda é possível estar isolados fisicamente, mas emocionalmente conectados. 

 

O projeto conta ainda com uma comissão curatorial, composta de membros de nove universidades brasileiras (de diferentes áreas do conhecimento, representando Norte, Nordeste, Sul e Sudeste do país), como também de dois representantes da França e Portugal. 

 

A comissão será responsável por receber e selecionar os relatos que devem compor a plataforma Memórias Covid-19. O projeto tem um caráter plural e democrático, almejando costurar uma teia de narrativas compartilhadas por pessoas de diferentes localidades do país e do mundo, classe social e escolaridade. As vivências cotidianas e histórias de qualquer pessoa, durante esta pandemia, são bem-vindas e devem ser contadas. O Memórias Covid-19 não pretende ficar centrado no eixo São Paulo/ Rio de Janeiro tampouco ficar circunscrito ao espaço da universidade. Assim, o Memórias Covid 19 reforça o convite para que a população pernambucana também participe enviando os registros de sua vida cotidiana durante o isolamento social. Não se trata de um projeto destinado apenas a familiares das vítimas de Covid 19 ou pessoas que testaram positivo para a doença, não havendo, portanto, necessidade de o participante ter sido acometido de Covid 19 ou ter presenciado casos de pessoas que tenham contraído o novo coronavírus. 

 

Como participar 

Arte: Dalton Villa

 

Para participar, basta acessar o formulário e enviar relatos escritos, sonoros ou visuais, podendo ser cartas, textos, poemas, desenhos, áudios, vídeos e fotos sobre as experiências pessoais em tempos de isolamento social. Os arquivos devem ser de autoria do participante ou estar de acordo com a legislação de Direitos Autorais, Lei 9.610/98. Os materiais recebidos serão enviados para a análise da Comissão Curatorial e os participantes que tiverem seus materiais selecionados para publicação vão ser informados. 

 

O Projeto Memórias Covid 19 também conta com a parceria do Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Unicamp que vai ficar responsável por armazenar os materiais recebidos pela plataforma. Lembrando que não há um prazo limite para o envio dos relatos. Segue o link para acessar o formulário: https://forms.gle/CjrYdaZKnFbMuY7a6

 

Enquanto o site não fica pronto, é possível acompanhar o projeto nas redes sociais, seguindo o instagram @memoriascovid19, como também a página do facebook Memóriascovid19. 

Contar para superar 

Nunca se está preparado para viver uma pandemia que deixa um lastro de óbitos, desempregos, problemas emocionais, entre outros. Por isso, o registro das memórias de um tempo doloroso pode ser uma forma de se libertar do peso de uma experiência difícil. É o que conta a advogada e escritora, Ana Santana Batista Farias que já enviou quatro relatos. “O projeto não se absteve em ser só uma cápsula desse tempo nublado pela pandemia. Ele conseguiu despertar em mim que, mesmo em momentos difíceis, a força ainda permanece no nosso ímpeto. Ao escrever sobre os meus dias pude perceber que apesar das angústias desse tempo incerto, ainda carrego dentro de mim a certeza de que dias melhores estão por vir”, concluiu Ana Santana.


MAIS VISITADAS DO MÊS

Entidades ligadas a empresário preso hoje pela PF, por desvios na Saúde, receberam mais de R$ 781 milhões do Estado e de Prefeituras pernambucanas

EXCLUSIVO: PF PRENDE PREFEITO E VICE DE AGRESTINA

Forbes: Lista de bilionários brasileiros traz 16 cearenses e 6 pernambucanos. Saiba quem são.

Operação Desumano: Orcrim que assalta cofres da Saúde do povo pernambucano há anos é desbaratada em megaoperação da PF, CGU, MPF e MPPE (GAECCO). Prefeituras do Recife e de Jaboatão e empresário, líder da ORCRIM, entre os alvos